Aposentar é, sem dúvidas, um dos maiores objetivos do brasileiro. Desde o início da carreira, ainda no primeiro emprego formal, a trabalhador já faz uma contribuição para o INSS, que é o instituto responsável pela aposentadoria pública no Brasil.

Vale lembrar que a aposentadoria não é o único benefício do INSS. Existem outros diversos direitos garantidos ao contribuinte. Por isso é tão importante fazer a contribuição, até mesmo para autônomos. Nesse texto, você encontra mais informação sobre esse tema.

Porém, a aposentadoria pública é mais limitada. Existe um valor máximo de contribuição e, consequentemente, um valor máximo no recebimento do futuro benefício. Ou seja, o teto da aposentadoria pode ser inferior às necessidades do contribuinte.

Além disso, com a reforma da previdência, ficou mais complicado para os trabalhadores alcançar um valor bom da aposentadoria. Já que agora, o cálculo leva em conta todos os valores de contribuição e não apenas as 80% maiores, como era anteriormente.

Devido a isso, pensando na renda futura e uma certa estabilidade e independência financeira, a procura por aposentadoria privada aumentou muito desde a reforma. E os planos de aposentadoria privada também aumentaram com a maior demanda. Porém, você sabe o que é e como funciona a aposentadoria privada?

O fundo previdenciário é um tipo de investimento. Então, é importante se atentar a algumas coisas antes de começar a investir. Nesse artigos, você vai entender melhor quais os tipos de previdência privada que existem e esclarecer as vantagens e desvantagens desse tipo de investimento.

O que é um fundo de previdência?

O fundo previdenciário é um plano de aposentadoria, que, diferente do INSS, é administrado por um ente privado. Ou seja, é uma aposentadoria privada ou aposentadoria complementar, como algumas pessoas chamam. Para isso, o contribuinte, ou investidor, aplica recursos periodicamente, planejando sua futura aposentadoria.

Esse processo possui duas diferentes fases durante o período do plano: a fase de acumulação de recursos e a fase de usufruto ou recebimento do benefício. A fase de acumulação de recursos consiste no período onde o fundo é alimentado. Ou seja, a construção do patrimônio.

Essa fase é longa, já que o objetivo dela é promover renda por um longo período após o término da alimentação do fundo. Então, após esse período, é parte do usufruto, ou resgate desse investimento. Não é preciso mais realizar os aportes. Essa fase pode ser feita de três maneiras: na forma de uma renda vitalícia, resgate total ou renda mensal por um período determinado.

Tipos de fundos de previdência

Atualmente, existem dois tipos de fundos previdenciários no Brasil. O PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre) e o VGBL (Vida Gerador de Benefício Livre) são os dois tipo que o investidor deve escolher.

A diferença entre eles é, basicamente, a tributação do imposto de renda. Dessa maneira, é importante se atentar a qual dos dois tipos é mais interessante a realidade financeira do investidor.

PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre)

Esse tipo de plano permite que o investidor consiga abater parte dos depósitos no imposto de renda. Ou seja, há um benefício fiscal durante a declaração anual do IR. O valor abatido pode ser de até 12% da renda bruta anual, quando se tratando de valores referente ao imposto de renda.

Entretanto, no momento do recebimento do benefício, ou seja, a fase após a acumulação, o cálculo do imposto será feito em cima de todo o valor acumulado (capital depositado mais a rentabilidade).  Ou seja, o IR incide sobre o valor total.

VGBL (Vida Gerador de Benefício Livre)

Esse tipo plano não permite que o investidor abata as contribuições por meio do imposto de renda. Porém, no momento do recebimento do benefício, o imposto de renda será calculado apenas na parte referente à rentabilidade e não sobre o capital acumulado. Ou seja, o IR incide apenas sobre o rendimento.

Fundo previdenciário: vantagens e desvantagens

Assim como muitas formas de investimento, a previdência privada também possui tanto lado positivo e quanto negativo. É importante ter conhecimento de quais são os objetivos ao procurar por uma aposentadoria privada antes de fazer a escolha do plano.

Benefícios da aposentadoria privada

  1. É um investimento a longo prazo e além de possuir uma maior garantia renda futura.
  2. Não tem a antecipação do recolhimento do imposto de renda, o famoso come-cotas.
  3. Permite desconto anual no imposto de renda.
  4. É um patrimônio que é rápido de ser transferido e liberado no processo de inventário aos herdeiros.
  5. Para muitos trabalhadores, a reforma da previdência não foi vantajosa. Dessa forma, a aposentadoria privada pode ser uma forma de complementar a aposentadoria do INSS.

Desvantagens da aposentadoria privada

  1. Taxas: assim como os outros tipos de investimentos, incidem taxas sobre o valor investido. São três tipos de taxa. A taxa administrativa, que é a taxa de gestão do fundo. A taxa de carregamento ou de entrada, que incide sobre as contribuições. E a taxa de saída, que calculada a partir do valor resgatado. Alguns fundos possuem uma taxa de performance.
  2. Rentabilidade: a rentabilidade da aposentadoria privada não é muito alta. Porém, ela é uma forma segura para quem está planejando uma renda futura.

Como funciona a tributação?

Como falado nos tipos de fundos, há tributação de imposto de renda no fundo previdenciário. Ao aderir um fundo previdenciário é preciso escolher entre os dois regimes de tributação: o progressivo ou o regressivo.

No regime progressivo, o imposto de renda é calculado com base na tabela do IR. Essa tabela é a mesma usada para o cálculo sobre o salário, aluguéis e outras rendas tributáveis. A alíquota no regime progressivo aumenta conforme a quantia recebida aumenta.

Já no na tabela regressiva, a alíquota do impostos de renda baixa com o passar dos anos. Começa com 35% nos primeiros 2 anos e vai até 10% após 10 anos de investimento.

Quem escolhe começar no regime progressivo, pode mudar para o regressivo com o passar dos anos. Porém, a outra troca não é permitida.

Gostou do conteúdo? Se você tiver mais interesse sobre as vantagens e desvantagens da aposentadoria privada, é só ler esse outro texto do blog e descobrir se a aposentadoria privada é necessária para os seus planos futuros.