Muitos anos atrás era inimaginável pensar que uma pessoa poderia sobreviver depois de estar com sarampo, febre amarela, tuberculose ou outras doenças que, hoje em dia, foram descobertas a cura ou um tratamento. Os avanços da medicina, junto com as novas tecnologias, proporcionam grandes benefícios à saúde. Porém, a medicina até hoje não conseguiu se livrar de um grande problema, os erros médicos.

Estima-se que a cada hora, pelo menos 6 pessoas morrem por esse terrível problema. Seja por erro médico, falta de assistência ou infecções no próprio hospital. Esse é um grande problema do sistema de saúde mundial.

Segundo pesquisa realizada pelo IESS, Instituto de Estudos de Saúde Suplementar e o Instituto de Pesquisa Feluma, da Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais, em 2017, ocorreram mais de 54 mil mortes ocasionadas por erros médicos. De acordo com a pesquisa, esses erros custaram mais de R$ 10 bilhões só ao sistema de saúde privado.

Was looking for something to photograph in my office, and this anatomical model seemed like a fun way to pose a test model.
Photo by Mathew Schwartz / Unsplash

O erro humano pode custar vidas

Como muitos sabem, uma das áreas mais complexas que existem é a medicina, e consequentemente, erros costumam acontecer. Por isso, toda a formação acadêmica desses profissionais é tratada, ou pelo menos deveria, com muito cuidado e atenção, para que as chances de falhas médicas sejam sempre mínimas. Mas, infelizmente, os erros médicos acontecem, gerando insatisfação, sequelas e até vidas.  

Apesar dos números de mortes serem enormes, os números de pessoas que sobrevivem, com sequelas ou não, são incontáveis. Em muitos casos, se não houver sequelas, o próprio paciente nem sabe que ocorreu um erro no procedimento médico. Mas, por outro lado, há registros de erros tão bizarros que chegaram a ganhar grande destaque na mídia mundial, o que evidencia as falhas do sistema de saúde mundial.

Confira agora alguns desses casos:

“Operaram o lado errado do meu cérebro”

Nós errarmos o lado da rua em que temos que virar é normal. Um jogador de futebol errar o lado na cobrança de pênalti também é normal. Agora, um médico errar o lado do cérebro numa operação é aberrante.

Regina Turner levava uma vida normal até que um certo dia sofreu múltiplos AVCs, acidente vascular cerebral. Por conta disso, passou por uma craniotomia, que é uma abertura cirúrgica do crânio realizada com o objetivo de se chegar ao encéfalo. Essa cirurgia foi realizada para tentar livrá-la das causas dos AVCs, porém, falhas médicas terríveis ocorreram durante o procedimento.

O problema de Regina estava localizado ao lado esquerdo do cérebro e acreditem, os médicos abriram e operaram o lado direito, danificando ainda mais as funções cognitivas da paciente. Depois que perceberam o erro, os médicos finalizaram o procedimento errado e iniciaram o correto, finalizando a operação. Porém, as consequências foram terríveis, já que o estado de saúde da paciente piorou significativamente, gerando sequelas para o resto da vida.

A dosagem mais alta já administrada em alguém

Gastroenterite aguda ou como é popularmente conhecida, infecção intestinal, é causada por vírus ou bactérias, que tem como sintoma mais comum a diarreia. Apesar de ser uma doença que tem tratamento, ainda causa muitas mortes em todo o mundo, principalmente em crianças. Sabia?

Agora imagine as infecções intestinais fazendo parte da sua rotina. Seria um pesadelo, não é mesmo? Pablo Garcia viveu de perto isso, ele sofria bastante com um grave problema em que sua condição genética propiciava o surgimento de infecções intestinais. Por isso, o uso de antibióticos e colonoscopia eram bastante frequentes em sua vida. Numa dessas colonoscopias de rotina, Pablo recebeu, acidentalmente, uma superdose de antibiótico.

Esse erro grotesco aconteceu porque a equipe médica usou um programa de computador para calcular a dose do paciente e, sem perceber que no lugar de “miligramas” estava “quilogramas”, deram a dosagem de remédio mais alta da história. Pablo recebeu uma dose de quase 39 comprimidos do antibiótico, levando-o a ter várias crises epiléticas e quase chegando a falecer.  

A morte de um dos mais importantes artistas do séc. XX

Se o nome Andy Warhol não é familiar para você, suas obras certamente são. Nascido em Pittsburgh, em 1928, Warhol foi um grande pintor e cineasta norte-americano, considerado um dos pais da pop art. Suas obras permaneceram no imaginário coletivo ocidental, como Quatro Marilyns e Latas de Sopa Campbell. Mas, sua trajetória chegou ao fim com um simples e terrível erro médico.

Tudo parecia bem na vida de Andy Warhol, até que em fevereiro de 1987 precisou operar a vesícula biliar. Warhol tinha fobia de médicos e hospitais, mas convencido por amigos e familiares, aceitou o procedimento. Logo após sair do centro cirúrgico, o pintor foi para um quarto para ficar em observação.

Como de praxe, lá ficou recebendo os medicamentos e o soro, porém, sem explicação nenhuma, naquele momento, Warhol entrou em coma no mesmo dia e no dia seguinte veio a falecer. Só algum tempo depois de sua morte foi descoberto que ele recebeu a dose do soro dobrada, sobrecarregando seu corpo de minerais, causando uma parada cardíaca e consequentemente, sua morte. Na autópsia, a região de sua traqueia e seus pulmões estavam inundados de soro.

“Usaram o esperma errado na fertilização”

Enquanto a gravidez indesejada assombra a vida de muitas pessoas, outras passam por problemas na hora de tentar o primeiro filho. Estima-se que a infertilidade atinge até 15% dos casais em todo o mundo. Esse problema acontece quando a mulher não consegue engravidar após mais de 1 ano de tentativa com a atividade sexual ativa e sem o uso de contraceptivos.

Para esses casos, existem clínicas de fertilização artificial que utilizam o método de fertilização in vitro, que consiste na injeção de espermatozoides dentro do útero da mulher no seu período fértil. Agora imagine você indo com sua esposa ou marido numa dessas clínicas e quando a criança está para nascer, descobre que utilizaram o esperma errado. Seria trágico.

Um casal que não conseguia engravidar pagou caro num desses tratamentos de fertilização pensando que seus problemas se resolveriam. Porém, algo inusitado aconteceu. A criança que nasceu era negra e os pais eram caucasianos. A princípio, não passou pela cabeça dos médicos que algum erro teria acontecido, eles acreditavam que a miscigenação e as leis da genética eram os responsáveis. Mas, quando fizeram o exame de DNA, descobriram que haviam trocado os espermas e utilizaram o errado. O casal entrou com um processo contra a clínica.

“Esqueceram uma placa do tamanho de uma régua em mim”

Quem nunca esqueceu alguma coisa que atire a primeira pedra. Seja a chave de casa, a carteira ou até o celular. Todo mundo já esqueceu ou vai esquecer alguma coisa em algum lugar um dia. Agora, imagine um médico esquecer dentro de você uma placa do tamanho de uma régua. Surreal, não é mesmo?

Esse caso aconteceu com Donald Church, após um procedimento cirúrgico. Em maio de 2000, Church foi diagnosticado com câncer e precisou ser operado para remover um grande tumor abdominal. A cirurgia foi um sucesso, o tumor foi retirado sem nenhum imprevisto.

O problema foi em sua recuperação, que demorava mais do que o normal. Após mais de 30 dias sofrendo de fortes dores no abdômen e cansado de ouvir dos médicos que o operaram que era normal, Church resolveu procurar o médico da família. Logo no primeiro contato o médico da família detectou algo estranho em sua barriga e pediu que Church fizesse um raio-x.

O resultado mostrou claramente a presença da haste de aço de aproximadamente 30 cm, e uma segunda operação foi realizada para removê-lo. Donald Church entrou com um processo milionário contra o hospital e os médicos que o operaram.

Se você já teve alguma experiência médica que não saiu conforme o planejado, não hesite em procurar um advogado e buscar pela sua indenização!