Todo mundo gosta de aproveitar as férias pra viajar e relaxar. Estudos já comprovaram que tirar férias traz reais benefícios à saúde. Além de combater o estresse e proporcionar mais momentos de felicidade, viajar pode tornar as pessoas melhores.

E você, está pensando em passar as próximas férias onde?

Antes de embarcar, é preciso se atentar a alguns fatos. A base de qualquer viagem é o planejamento. Tudo começa na escolha do destino e no roteiro a ser seguido no local. Depois vem a compra das passagens, reserva do hotel e os outros detalhes. É importante ficar de olho também no que levar para a viagem, pois imprevistos podem acontecer.

É muito comum as pessoas meterem os pés pelas mãos em diversos casos, como não levar nenhuma roupa de frio para um local que normalmente se faz calor. As pessoas tendem a idealizar como se tudo fosse acontecer da maneira que elas planejaram, mas não pensam que o clima pode mudar ou até mesmo que elas podem ter algum mal estar.

Por isso, pense em tudo. Leve roupas a mais, protetor solar, repelente, seus remédios regulares e até os que costuma não utilizar, pois é como diz o ditado, “o seguro morreu de velho”. Tenha sempre consigo uma mini farmácia em caso de emergências.

E é nessas horas que costumam surgir algumas dúvidas. É normal as pessoas se preocuparem com os horários, atrasos, documentos e até as bagagens, mas o que muitos não se atentam, são as regras de transporte de medicamentos, em especial, os de uso regular.

Por isso, é importante ficar ligado para evitar problemas e frustrações futuras ao tentar embarcar com medicamentos.

Como evitar “dores de cabeça”

Para ter uma viagem tranquila, é preciso se planejar. E planejamento envolve desde os cuidados com as bagagens até o conhecimento das regras do voo. É preciso que você tome medidas de precaução, caso faça uso de medicação contínua, pois assim terá uma maior tranquilidade na hora de viajar.

Uma dica muito boa é ter uma prescrição médica no seu nome com todos os seus medicamentos que estão sendo transportados, isso te dará um respaldo caso algum problema futuro ocorra. Vale lembrar que, essa prática não é obrigatória no Brasil, mas no exterior sim, e além da prescrição, é preciso que as notas fiscais e a receita, traduzida para o inglês, também estejam com você.

Carregue sempre os medicamentos na mala de mão, pois se sua bagagem despachada for extraviada, você terá sérias dores de cabeça estando longe dos seus remédios. Fique atento também à quantidade de remédio, pois apesar de ser recomendável levar doses a mais em caso de algum imprevisto, existem países cuja vigilância sanitária determina uma quantidade máxima por turista.

Posso levar remédio na bagagem despachada?

Poder você pode, mas o aconselhável mesmo é levar na sua bagagem de mão, pois se sua mala despachada for extraviada, você poderá ficar dias sem seus remédios. Por isso, se os seus medicamentos forem de uso contínuo, leve-os sempre junto de você.

Mas, se for algum medicamento que você não tenha urgência de usar, ele pode ir na bagagem despachada sim, desde que ele não seja uma substância proibida no seu país de destino. Uma dica é entrar em contato com as autoridades sanitárias do país que pretende visitar e confirmar se seus medicamentos são autorizados lá. Assim, você evita muita dor de cabeça e segue sua viagem tranquilo.

Se você não faz questão de embarcar com remédios na sua mala de mão, você também pode despachá-los, como já foi dito acima. Mas, atenção, nos compartimentos de cargas não há pressurização, fazendo com que as bagagens sejam submetidas à temperaturas extremamente baixas e isso pode gerar alguma reação nos seus medicamentos, tornando-os até inutilizáveis.

Como levar remédio na bagagem de mão

Compreendido que se deve levar remédios na bagagem de mão, é importante saber os procedimentos a serem seguidos. Em primeiro lugar, verifique as regras da sua companhia aérea em relação a bagagem de mão: peso máximo, tamanho e conteúdo que será embarcado. Deixe claro quais serão os medicamentos que constarão na mala, assim você evitará possíveis constrangimentos e aporrinhações na hora do embarque.

Caso seu medicamento exija refrigeração ou algum outro tratamento especial, comunique a sua companhia aérea e tire todas as suas dúvidas. Pergunte se eles conseguem atender a sua demanda de maneira rápida e prática durante o voo.

Mas, atenção, de acordo com as normas vigentes, esse tipo de pedido deve ser realizado com pelo menos 72 horas de antecedência, pois assim a empresa aérea terá o tempo hábil para buscar te atender da melhor forma.

Quais cuidados devo ter com medicação de uso contínuo?

Se você faz uso de alguma medicação contínua ou controlada, fique tranquilo, pois isso em nada irá atrapalhar sua viagem. Mas, é preciso tomar alguns cuidados!

Como já dito acima, ainda que não seja obrigatório levar a prescrição médica junto com os remédios no Brasil, é indicado que carregue sempre consigo esse documento, pois se ocorrer qualquer problema, você estará resguardado.

Já em outros países, onde as normas sanitárias são diferentes das nossas, é aconselhável estar sempre portando a prescrição com seu nome e constando o nome de todos os remédios e uma versão da receita em inglês, além da nota fiscal dos medicamentos.

Sobre a quantidade, é recomendável levar um pouco a mais do que você irá usar, para ter uma margem de segurança. Mas não exagere, pois muitos países têm normas rígidas de vigilância sanitária. A quantidade mais indicada é a de que não ultrapasse o período de 90 dias da estadia.

E se faltar durante a viagem? Posso comprar no exterior?

Você até consegue comprar remédios em outro país, mas é importante saber que a prescrição médica brasileira só vale dentro do território nacional.

Ou seja, com a sua receita gerada no Brasil, você não conseguirá comprar seu medicamento nas farmácias gringas. Mas, não precisa entrar em pânico, existe uma solução, que é ser consultado em um hospital local e solicitar uma receita que valha no país que está visitando.

Vale frisar que esse tipo de consulta, não emergencial, normalmente, não está inclusa na cobertura dos seguros viagens. Por isso, a dica é se precaver e levar uma quantidade superior ao que realmente vai precisar.

Em caso de medicamentos controlados, não corra o risco, leve consigo e em maior quantidade e guarde bem, pois dependendo do medicamento, até com a consulta será difícil consegui-lo.