Escolher um curso universitário é uma das maiores decisões que enfrentamos ao longo da vida. Ele é um dos fatores de maior influência no futuro profissional e, por isso, é importante analisar bem as possibilidades de atuação que a graduação pode te oferecer.

Pensando nisso, milhares de pessoas elegem o Direito como futura profissão. Uma das áreas mais tradicionais do conhecimento humano, o Direito tem como função organizar as relações sociais por meio das leis e é um ramo com amplas possibilidades de atuação.

Para decidir com qual delas você mais se identifica, é necessário conhecer mais os tipos de profissão possíveis e suas respectivas funções. No Direito, elas dividem-se em três grandes áreas: a advocacia, as carreiras públicas e a carreira acadêmica.

Você tem interesse em atuar no Direito mas ainda tem dúvidas sobre o mercado de trabalho? Esse artigo é o lugar ideal! Separamos para você um guia com diversas possibilidades de carreiras jurídicas e informações para te ajudar a escolher a sua.

A ADVOCACIA

Não tem jeito: quando pensamos em Direito, é natural associarmos à advocacia. Afinal de contas, quem forma em Direito está se tornando advogado, não é? Errado!

Ao concluir o curso, o aluno graduado torna-se bacharel em Direito. Para seguir a carreira de advogado, é preciso realizar o exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e especializar-se em alguma das muitas áreas do curso.

Abaixo vamos resumir um pouco das áreas mais populares, mas já adiantamos: não vamos falar sobre salários, já que na iniciativa privada eles variam conforme diversos fatores.

Direito Civil

O direito civil é aquele que lida com o direito do cidadão. Com uma definição tão abrangente, não deveria é difícil imaginar que ele seja uma das maiores áreas da advocacia.

Por mais que muitos não percebam, o ramo está presente em diversos momentos do nosso dia a dia – afinal, é ele quem lida com os direitos e deveres referentes às nossas relações com outras pessoas ou coisas.

Do nascimento à morte, passando pelo casamento ou divórcio, compra ou venda de um imóvel, direitos de sucessão ou de família, o ramo perpassa diversos momentos marcantes. Como possui tamanha importância e abrangência, existem muitas especializações possíveis dentro do ramo, como Direito de Família, dos Bens, das Pessoas e muitos outros.

Direito Penal

Visualize alguns dos maiores filmes e seriados sobre Direito. Já reparou que a maioria deles envolve casos em que o réu viola leis, comete um assassinato elaborado ou participa de um crime perfeito? Pois é – eis aí o Direito Penal!

Juntamente ao Direito Civil, o Penal é uma das áreas com maior concentração de advogados e estudiosos no país. É o ramo responsável por regular o exercício do poder punitivo do Estado, definindo infrações (crimes e contravenções) e suas respectivas sanções (penas e medidas de segurança).

Em poucas palavras, é a disciplina direcionada à resolução de conflitos em caso de violação das leis. Os profissionais da área são aqueles que advogam por causas envolvendo roubo, tráfico, sequestro e assassinato... assim como nos filmes!

Mas não se engane: o Direito Penal não se resume a isso. Também faz parte do ramo defender clientes de acusações relacionadas a crimes de ordem previdenciária, tributária, digitais, contra a propriedade industrial e afins.

Direito do Trabalho

O nome já diz: é o ramo que regula as relações de trabalho em nossa sociedade, ou seja, o vínculo entre empregados e empregadores.

O Direito do Trabalho divide-se em Individual e Coletivo. O Direito Individual do Trabalho refere-se a um complexo de regras, institutos e princípios jurídicos que regulam as relações de emprego e demais relações de trabalho especificadas. Já o Direito Coletivo do Trabalho lida com os aspectos da relação coletiva de trabalho, como as normas e negociações coletivas, bem como a organização sindical.

Em resumo, seja Individual ou Coletivo, a função principal é assegurar a dignidade e direitos básicos por lei dos trabalhadores, buscando impedir a exploração e injustiças. Quer saber mais? Temos muitos artigos sobre direito trabalhista por aqui!

Direito Empresarial

Como você provavelmente já adivinhou, o Direito Empresarial é a área que atua na defesa das empresas em suas relações com sócios, marcas, patentes, concorrências e até mesmo em processos de falência.

O objetivo do profissional de Direito Empresarial, portanto, é cuidar da atividade das empresas e resolver conflitos de interesse relacionados a elas ou aos empresários. O advogado do ramo atua em situações como: abertura e dissolução de sociedades empresariais, fusão de empresas, recuperação de sociedades, registro de propriedade intelectual e afins.

Direito Ambiental

Lida com princípios e normas jurídicas que regulam a relação dos seres humanos, governos e organizações com o meio ambiente.

O objetivo do advogado nesta área é atuar protegendo juridicamente o meio ambiente e conciliar as questões ecológicas, sociais e econômicas, visando sempre a sustentabilidade e bem-estar da população.

Como profissional do ramo é possível atuar tanto em âmbito administrativo e civil quanto penal, e as atividades podem variar. Um advogado pode prestar consultoria jurídica ou até dar entrada em ações penais.

Direito Administrativo

O Direito Administrativo é o ramo voltado para aplicação da legislação e regulamentação dos órgãos e poderes públicos bem como de seus servidores. Em suma, é a área concentrada em estudar a administração pública e o exercício de seus agentes.

Algumas atividades que fazem parte da rotina são: licitações e contratos administrativos, suporte junto às Agências Reguladoras, consultoria em concessões públicas ou parcerias público privadas, como suporte aos servidores públicos e muito mais.

Direito Previdenciário

Com tantas mudanças recentes em nossa legislação sobre aposentadoria, quem aí não precisa da ajuda de um advogado especializado na área?

O ramo é uma subcategoria do Direito Público com objetivo de estudar os regulamentos da seguridade social e as relações entre segurado e ente previdenciário.

Quem se especializa na área trabalha diretamente com a previdência social, que tem como maior representação no Brasil o Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS). Também é possível atuar com o Direito Empresarial Previdenciário, institutos fechados de previdência e a Previdência Complementar.

Mas mesmo se essa não for a área que faz os seus olhos brilharem, é muito importante conhece-la melhor e aprender sobre seus direitos previdenciários. Leia nossos artigos sobre o tema aqui no blog e informe-se melhor!

Direito Tributário

Tanto quanto a previdência social, em algum momento da vida todos nós iremos nos deparar com a área do direito tributário.

Trata-se do ramo do Direito que se dedica ao estudo jurídico da tributação, formando profissionais especializados em normas e princípios de taxas e arrecadação de impostos.

Direito Digital ou da Tecnologia da Informação

Com a evolução de novas tecnologias e interações online, cresce também a necessidade de editar regras que regulamentem tais relações que possuem especificidades difíceis de serem abarcadas por outras áreas do Direito.

O Direito Digital é o ramo que estuda e regulamenta as relações sociais no ambiente digital. Um advogado especializado na área pode tanto atuar no âmbito criminal (crimes online) quanto tributário, auxiliar na formulação de contratos e também nos direitos do consumidor.

Além de todas as citadas, a advocacia permite diversas outras especializações, como o Direito Internacional, Eleitoral, Desportivo, Contratual, Imobiliário e direitos do consumidor.

CARREIRAS JURÍDICAS PÚBLICAS

Tratam-se dos servidores públicos do âmbito jurídico. As condições para ingresso variam, mas todas elas exigem aprovação em concurso público e a maior requer ao menos três anos de prática em advocacia. Escolhemos as principais escolhas e com maior oferta de editais para ingresso.

Defensor Público

O acesso a um profissional de Direito é uma garantia fundamental de todo cidadão brasileiro conforme a Constituição Federal. No entanto, sabemos que nem todos podem arcar com os custos de um advogado privado. É aí que entram os defensores públicos.

São os profissionais que prestam assistência jurídica e defesa integral e gratuita àqueles necessitados. Apesar de todos possuírem o direito, o Estado prioriza como “necessitados” quem não pode pagar (famílias que recebem até três salários mínimos) ou pessoas com urgência de atendimento em situação vulnerável.

Também faz parte do escopo promover a conscientização e promoção dos direitos humanos, do ordenamento jurídico e da cidadania.

Advocacia Pública Federal

Uma pessoa que possui dúvidas jurídicas ou precisa atuar em juízo recorre a um advogado, correto? O mesmo ocorre com o Estado. Para isso, ele recorre aos Advogados Públicos Federais.

São os profissionais que trabalham na Advocacia Geral da União (AGU) e, de forma resumida, realizam a representação judicial e extrajudicial da União, Fazenda Pública, autarquias e demais entidades federais.

Também possuem papel consultivo, emitindo pareceres que evitam a judicialização de questões futuras, e de assessoramento jurídico ao Poder Executivo.

As carreiras na advocacia pública federal dividem-se em quatro especializações: Procurador da Fazenda Nacional, Procurador Federal, Procurador do Banco Central e Advogado da União.

Promotor de Justiça

O Ministério Público (MP) é o órgão que tem como papel representar os interesses da sociedade e da democracia, fiscalizando e protegendo os interesses e princípios sociais. Ele investiga fatos e funciona de maneira independente a qualquer um dos três poderes (Executivo, Legislativo e Judiciário).

No Brasil, ele é composto pelo Ministério Público da União (MP Federal, MP do Trabalho, MP Militar e MP do Distrito Federal e dos Territórios) e os Ministérios Públicos Estaduais.

O Promotor de Justiça é um membro do Ministério Público Estadual conhecido popularmente como “o advogado do estado”. Sabe aquela cena do filme em que o juiz chama o advogado da acusação? Pois é! Quando quem acusa é algum estado da federação, entra em cena o promotor.

Ele é responsável para oferecer denúncias contra o indivíduo suspeito de infringir as leis e representar os interesses coletivos da sociedade. Por isso, devem realizar constantes reuniões com a comunidade, coletar informações e apurar a ocorrência de irregularidades em sua área de atuação.

Procurador de Justiça

Outro profissional integrante do Ministério Público é o Procurador de Justiça. De modo geral, trata-se do representante legal de algum órgão. Mas qual a diferença, então, entre o promotor e o procurador?

Nas instâncias estaduais do MP, os promotores atuam no estágio inicial dos processos. Enquanto o julgamento ocorre em 1ª instância nas Varas Estaduais, o exercício cabe ao promotor. Assim que o processa entra em grau de recurso, entra em cena o procurador de Justiça. É ele quem representa o MP junto ao Tribunal de Justiça.

No MP Federal (MPF), quem atua são os procuradores da República – e neste caso não há diferenciação, já que não há promotores à nível federal. O procurador da República representa o MPF em matérias no âmbito federal desde a primeira instância.

O Procurador do Trabalho exerce seu cargo no MP do Trabalho (MPT), também em âmbito federal, e atua em questões relativas às relações de trabalho. O Procurador da Justiça Militar, por sua vez, atua em quaisquer ações que envolvam o Exército, a Aeronáutica ou a Marinha, julgados perante a Justiça Militar.

Além deles, existe também o Procurador do MP perante o Tribunal de Contas (TC), que não fazem parte nem dos MPs Estaduais ou da União. Estes profissionais atuam como auditores do TC, fiscalizando a aplicação da lei em suas ações.

Magistratura

O grande sonho de boa parte daqueles que buscam uma carreira no meio jurídico, a magistratura também é uma das mais difíceis. O concurso é concorrido e a própria estrutura do Poder Judiciário brasileiro é complexa, mas com dedicação e muito estudo, o sonho pode se tornar realidade.

O juiz tem como papel principal a realização de julgamentos de conflitos submetidos à Justiça. No Brasil, o profissional pode atuar na Justiça Comum (esfera Estadual ou Federal) ou na Justiça Especializada (Eleitoral, Trabalhista ou Militar).

Além da divisão por esferas, os juízes também são divididos por instâncias. A maioria deles atua em primeira instância, enquanto os que exercem julgamentos em segunda instância são chamados de desembargadores.

Quando um juiz de primeira instância chega a uma decisão, ela é chamada de sentença. A função do desembargador é analisar a sentença com base na contestação apresentada pelas partes do processo. Existem menos de dois mil desembargadores no país e, diferente dos outros cargos nessa lista, o acesso é feito por concurso interno ou nomeação.

Delegado de Polícia

Muito mais conhecidos pela população em geral, os delegados de polícia são responsáveis por servir ao Estado liderando a Polícia Civil (PC) ou Federal (PF). Sua função principal é investigar crimes, solucionar delitos e reprimir a criminalidade.

Atuando na Polícia Civil ou Federal, o papel do delegado é coordenar os trabalhos. A principal diferença entre os dois é o tipo de delito a ser investigado.

O Delegado da Polícia Federal investiga crimes de cunho político, do âmbito federal, internacional ou com repercussão interestadual. O Delegado Civil, por ter sua atuação em âmbito estadual, investiga todos os demais delitos que não ultrapassem essa divisão.

O salário varia muito a depender do estado, mas podemos inferir uma média salarial em torno de R$ 14 mil reais para o cargo de Delegado da PC e de R$ 22 mil para delegados da Polícia Federal.

CARREIRA ACADÊMICA

As muitas possibilidades de carreiras e perspectiva de ótimos salário atrai, anualmente, milhares de pessoas interessadas em iniciar uma carreira jurídica.

Tamanha demanda explica a grande oferta de cursos de Direito no país: são mais de mil instituições distintas oferecendo cursos de graduação na área, sem contar as diversas especializações e cursos de pós-graduação.

Esse fenômeno cria a necessidade de profissionais especializados em docência e pesquisa jurídica. Por isso, a carreira acadêmica também surge como uma das principais carreiras para os graduados em Direito.

Para ingressar na carreira acadêmica, é preciso realizar uma pós-graduação stricto sendo (mestrado e/ou doutadorado). O profissional pode optar por atuar em instituições privadas ou em universidades públicas – neste caso, também é preciso buscar a aprovação em concurso público.

UM MAR DE POSSIBILIDADES

Como você pôde perceber, o que não falta no Direito são opções de carreiras, cada uma com sua função social distinta. Mas um leque tão grande de possibilidades pode deixar qualquer um confuso.

Se esse for o seu caso, fique tranquilo, você não está sozinho! O importante agora é continuar buscando informações sobre as possibilidades de carreira e manter-se informado sobre o mercado de trabalho, público ou privado.

Seja qual for a sua decisão, lembre-se que o ramo jurídico é bastante concorrido e está cheio de profissionais. Por isso é importante estudar muito, especializar-se e buscar o seu diferencial.

Mantenha-se informado sobre a área, acompanhe o nosso blog e dedique-se!