Você sabia que é mais fácil morrer de um erro médico do que de um câncer ou um acidente de carro?

Pode parecer exagero, mas é a realidade do nosso sistema de saúde. Segundo um estudo publicado pelo British Medical Journal, os erros médicos são a terceira maior causa de morte nos Estados Unidos.

Os erros médicos, infelizmente, têm se tornado cada vez mais comuns. Apesar de parecer difícil preveni-los, os pacientes também têm responsabilidades e podem ajudar. Existem várias medidas que podem ser tomadas para garantir a qualidade dos procedimentos médicos.

É indispensável que os médicos tenham a real noção de que são falhos, pois assim ficam mais em alerta e têm atitudes proativas. Por outro lado, os pacientes devem estar sempre atentos, perguntar sempre que surgirem dúvidas, sem falar em não omitir nenhum dado aos profissionais que lhe atendem. Uma boa comunicação entre o paciente e a equipe médica é fundamental para evitar qualquer erro médico.

Cuidados com o pré-operatório também são fundamentais. Converse com seu médico e pergunte cada passo que deve dar até o dia da operação. Alimentação, remédios, cuidados e tudo o que for possível, esteja sempre atento nos dias que antecedem o procedimento. Com esses cuidados, você ajuda a evitar qualquer problema futuro. Confira abaixo algumas dicas:

Vamos às dicas!

  1. Descubra o que puder antes do tratamento: sempre que possível, pesquise tudo sobre o tratamento, antes de marcar a consulta. Mas, calma, não é para você ir achando que entende mais que o médico, essa dica é para você anotar todas as dúvidas que aparecerem a respeito desse procedimento que você irá se submeter.
  2. Pergunte sobre cada informação: não fique acanhado, peça para o seu médico lhe explicar absolutamente tudo. Riscos, precauções, cuidados e outras opções de tratamento disponíveis. Peça para ele te contar as coisas como se estivesse contando para uma criança, assim ficará mais fácil o entendimento.
  3. Se não entender, peça que repitam: não tenha medo de perguntar mais de uma vez. Se você não entendeu algo dito pelo médico ou enfermeiros, peça que repitam. Não entendeu de novo? Peça para repetir mais uma vez. O que não pode é você iniciar um procedimento sem fazer ideia do que está acontecendo.
  4. Não esconda nada: Tem alguma alergia? Conte. Tem algum outro problema? Conte. O seu médico precisa estar munido de todas as informações para que o procedimento seja um sucesso. Ah, às vezes na hora fica difícil de lembrar tudo, por isso, anote tudo antes de ir para a consulta.
  5. 5. Leia tudo antes de assinar: leia atentamente o formulário antes de assinar. É a sua vida que está em jogo. Verifique se todos os campos do formulário estão corretos. Seja os dados pessoais, os dados de parentes e até suas especificações.
  6. Bula foi feita para ser lida: a coitada da bula é sempre deixada de lado pela grande maioria das pessoas. Porém, ele tem grande importância quando se quer ajudar a evitar erros médicos. É sempre importante entender e compreender por que se está tomando tal medicamento. Registre também qualquer possível reação que seu corpo tenha ao tomar os medicamentos. Confirme se os remédios passados podem interferir quando tomados juntos com algum suplemento que você faz uso, por exemplo.
  7. Acompanhe parentes que precisam de ajuda: se você tem algum parente ou amigo que passará por um procedimento cirúrgico, acompanhe-os. Alguns hospitais exigem que o acompanhante assine um termo de responsabilidade. Nesse caso, leia atentamente tudo e confirme com o paciente se todos os dados estão corretos.
  8. Seja conhecido por todos: certifique-se que toda a equipe médica esteja a par de sua situação. Para confirmar, peça para que leiam seu prontuário antes de iniciar o procedimento. Fazendo isso, você diminuirá os riscos de algum erro médico.
  9. Suspeita de gravidez? Não deixe de avisar: às vezes nem estamos planejando ter um bebê, mas acontece. Se você notou algo diferente no seu corpo e desconfia que pode estar grávida, avise ao médico. Existem muitos procedimentos que podem prejudicar a saúde da mãe e da criança. Todo tratamento que inclui radiação pode gerar consequências terríveis para o feto.
  10. Confira se está tudo limpinho: pode parecer chato, mas pergunte se os médicos, enfermeiros e até maqueiros que estejam prestes a tocar em você lavaram as mãos. Fale educadamente e explique seus medos, eles entenderão numa boa. Repare também nas condições da sala cirúrgica, se observar qualquer anormalidade, informe ao seu médico.

E a principal dica é: tire suas dúvidas!

Não é vergonha nenhuma ter dúvidas quando estamos prestes a entrar numa sala cirúrgica. Afinal, é a nossa vida que está em jogo. Por isso, tire todas suas dúvidas antes de iniciar qualquer procedimento. Isso te deixará até mais relaxado e com certeza a operação será um sucesso.

Faça um checklist de todas as suas perguntas. Riscos, cuidados, precauções, tempo de recuperação e outras coisas. Se não entendeu, pergunte novamente. Afinal, você quem passará pelo procedimento cirurgico e os médicos vão entender que você é leigo no assunto e está com medo e ansioso para o procedimento.

Como caracterizar e reagir à um erro médico

De uns anos para cá, o erro médico se tornou um assunto de enorme destaque. Tanto que as ações judiciais cresceram mais de 300% nos últimos anos. Esse é um problema complexo, atrelado a baixa remuneração dos planos de saúde, tem como consequência a diminuição do tempo de consulta, tornando dispensável, muitas vezes, a anamnese. Junto a isso, vem a diminuição na qualificação dos profissionais de medicina, cada vez mais saem médicos recém-graduados sem a devida experiência.

O médico pode ser responsabilizado por erro médico desde o instante em que deixa de informar algo importante ao paciente. O art. 34, do Código de Ética diz:

Deixar de informar ao paciente o diagnóstico, o prognóstico, os riscos e os objetivos do tratamento, salvo quando a comunicação direta possa lhe provocar dano, devendo, nesse caso, fazer a comunicação a seu representante legal”
(Resolução CFM n. 1931, de 17 de setembro 2009).

A jurisprudência brasileira diz que os pacientes lesados, por erros médicos, podem receber por 3 tipos de indenizações: danos materiais, danos morais e danos estéticos. Os danos materiais se referem ao que o paciente gastou no tratamento e ao que eventualmente deixou de ganhar por conta do erro médico.

É assegurado o direito de receber os danos morais, valor para compensar a dor moral a que foi submetido. Já por danos estéticos que é o prejuízo causado à sua aparência, como cicatrizes e outras deformidades, o paciente também tem direito. Vale ressaltar que todas essas indenizações podem ser cumuladas.

Ao identificar o erro, o paciente deve fazer um Boletim de Ocorrência numa delegacia e realizar uma denúncia no CRM, Conselho Regional de Medicina, ou no CFM, Conselho Federal de Medicina.

Independentemente da decisão do CRM ou CFM, o paciente tem o direito a pedir uma indenização. Então, não deixe de correr atrás dos seus direitos!